Como construir nosso próprio país

Projeto baseado no estudo de vivências sobre apagamento, visibilidade, territorialidade, sobrevivência e reconhecimento das corpas pretas e dissidentes do Brasil. A ideia do projeto é  discutir e descobrir novas formas de vida, reinventar métodos de proteção e autocuidado, construir novos países e nações independentes, onde todas as existências são bem vindes. Queremos celebrar a ressignificação dos nossos corpos-territórios, usando-os para a ocupação e trans-formação de todos os espaços  excludentes existentes e persistentes na cidade.

Terroristas del Amor

Coletivo formado pelas artistas fortalezenses Dhiovana Barroso e Marissa Noana. O coletivo teve início em 2018, e atua com diversas linguagens, entre elas ilustrações, muralismo, animações, fotografias, bordados e outras experimentações no campo das artes visuais. Suas obras são, em grande maioria, autobiográficas, e falam sobre os seus corpos, apresentando modos de defesa, proteção e ataque contra a heterocidade. Participaram de diversas exposições coletivas e ministraram oficinas de diversas linguagens desde a sua criação.

Lab. de Artes Visuais

  • 051/Grande Circular
  • Isolamento Compulsório
  • Novas Abordagens Perceptivas do Real
  • Sonho causado pelo voo de uma abelha ao redor de uma romã, um segundo antes de acordar

Lab. de Audiovisual

  • Ocre
  • Estrada Aberta
  • Tempo de matar cachorro
  • Telma
  • Perdido
  • 7 CAIXAS

Lab. de Dança

  • 233 A, 720 Khalos
  • Afrontamento
  • Afrontamento
  • Corpos Embarcados

Lab. de Música

  • Sila Crvs A.O.A
  • Iracema Som Sistema
  • Ode ao Mar Atlântico
  • Orquestra Popular do Nordeste

Lab. de Teatro

  • Caldeirão de água no deserto – realidades e utopias?.
  • DESPEJADAS
  • Nossos Mortos
  • O retorno a Juberlano